Carrefour agora reconhece “grave problema” sobre morte de cachorro em Osasco

05 DEZ 2018
05 de Dezembro de 2018

O Carrefour voltou a se pronunciar nesta terça-feira (4) sobre a morte de um cachorro após ter sido agredido a pauladas por um segurança do hipermercado em Osasco, no último dia 28. “O Carrefour reconhece que um grave problema ocorreu em nossa loja de Osasco. A empresa não vai se eximir da responsabilidade”, diz a rede.

“Estamos tristes com a morte desse animal. Somos os maiores interessados para que todos os fatos sejam esclarecidos. Por isso, aguardamos que as autoridades concluam rapidamente as investigações. Qualquer que seja a conclusão do inquérito, estamos inteiramente comprometidos na reparação desse dano”, continua a empresa.

A rede diz ainda que está recendo sugestões de entidades e ONGs ligadas à causa que vão auxiliar na construção de uma nova política para a proteção e defesa dos animais. Desde o início do caso, o Carrefour mantém o segurança, de uma empresa terceirizada, afastado.

É a terceira vez que o Carrefour se pronuncia sobre o caso. Antes, a empresa havia negado que a morte do cachorro estivesse relacionada ao segurança e atribuiu à responsabilidade à Zoonoses de Osasco, dizendo que o animal “desfaleceu em razão do uso de um ‘enforcador’”. O órgão municipal negou e um vídeo que mostra o cão sendo resgatado, com o que parecem ser manchas de sangue em volta dele no chão, se espalhou nas redes sociais.
Depois, um novo vídeo, divulgado inclusive pela ativista e apresentadora Luisa Mell mostra o segurança com o que parece ser um cabo de vassoura tentando atacar o animal. “Estou passando mal com as imagens”, declarou.
O jurista Fernando Capez, deputado estadual, acompanhou Luisa Mell na delegacia do Meio Ambiente de Osasco: “O cachorro foi agredido, teve hemorragia interna e externa, com sangramento. Demorou demais para atender, morreu também omissão de socorro. A abordagem não foi adequada e tem que ser investigada, administrativamente, criminalmente e civilmente pelo Carrefour”. Luisa Mell completou: “Isso não vai ficar assim”.
O presidente da ACRIMESP (Associação dos Advogados Criminalistas do Estado de São Paulo), Ademar Gomes, anunciou que a entidade deve processar o Carrefour e o segurança que teria agredido a pauladas e causado a morte do cachorro.
De acordo com ele, o Carrefour será processado por dano moral e por maus tratos, no valor de R$ 500 mil. Gomes afirma que o valor da causa será revertido ao Instituto Luisa Mell.
O criminalista destaca que praticar ato de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais pode render detenção, de três meses a um ano, e multa e a pena é aumentada de um sexto a um terço se ocorre morte do animal.
Ativistas da causa animal realizaram um protesto dentro do Carrefour de Osasco, em meio aos clientes, no último sábado (1º) e prometeram novas manifestações, além de pregarem boicote à empresa nas redes sociais.
Famosos também se sensibilizaram com a morte do animal e cobraram a empresa. Nesta terça-feira, foram aprovadas Moções de Repúdio pelo caso na Câmara Municipal de Osasco.
Protesto de ativistas dentro do Carrefour
A atríz Tatá Werneck cobra atitude do Carrefour
Voltar

RÁDIO EPÍSTOLA GOSPEL
Tocando Vidas 24 horas no ar

Entre e adore ao Senhor
www.radioepistolagospel.com
Whatsapp: (11) 98141-3984

©2014 Rádio Epístola Gospel - Todos os direitos reservados

Tenha também o seu site. É grátis!